01.ARQUIVOS | 02. LINKS | 03. CONTACTO

arquivo do mês: [05, 2011]

filmes vistos em maio

>> no cinema
the tree of life ~ terrence malick, 2011 *****
o fantasma ~ joão pedro rodrigues, 2000 ****
water for elephants ~ francis lawerence, 2011 *
your highness ~ david gordon green, 2011 º
red hiding hood ~ catherine hardwicke , 2011 º

>> em casa
days of heaven ~ terrence malick, 1978 *****
the thin red line ~ terrence malick, 1998 *****
badlands ~ terrence malick, 1973 ****
the new world ~ terrence malick, 2005 ****
shadow of a doubt ~ alfred hitchcock, 1943 ****
suspicion ~ alfred hitchcock, 1941 ***
carlos ~ olivier assayas, 2010 ***
insidious ~ james wan, 2010 ***
wir sind die nacht (we are the night) ~ dennis gansel, 2010 ***
daddy longlegs ~ josh & benny safdie, 2009 ***
textuality ~ wareen p sonoda, 2011 *

para longe

é mais fácil fugir

do que ficar e descobrir que fui o único a ficar
quando todos partiram.

[versão livre de running ~ gil scott-heron, 2010]

da alma, 3

desgosto, desespero e dor:
um abutre às voltas no teu pensamento.

lembra-te que não podes escapar.
promete-me, pelo menos,
uma batalha entre
a tua alma e a minha.

[versão livre de your soul and mine ~ gil scott-heron, 2010]

da alma, 2

hoje de manhã, quando bateste à porta,
pensei “deve ter chegado a minha hora“:

eu e o diabo, lado a lado.
nada me importa –
serás minha
até ficar satisfeito
.

[versão livre de me and the devil ~ gil scott-heron, 2010]

da alma

morto ou vivo
nada me importa
desde que a alma esteja intacta.

[versão livre de buried alive ~ cass maccombs, 2011]

esperança

a minha confiança é como
é um cão doente que lambe as feridas
na esperança que o recolhas –

não me deixes morrer
sozinho.

[versão livre putting the dog to sleep, the antlers 2011]

já não sei o que fazer.

de cada vez que fecho os olhos
perco-te outra vez.

[versão livre de dreaming, seapony 2011]

do you know the world is a foul sty?

you think you know something, don’t you? you think you’re the clever little girl who knows something. there’s so much you don’t know, so much. what do you know, really? you’re just an ordinary little girl, living in an ordinary little town. you wake up every morning of your life and you know perfectly well that there’s nothing in the world to trouble you. you go through your ordinary little day, and at night you sleep your untroubled ordinary little sleep, filled with peaceful stupid dreams. and I brought you nightmares. or did I? or was it a silly, inexpert little lie? you live in a dream. you’re a sleepwalker, blind. how do you know what the world is like? do you know the world is a foul sty? do you know, if you rip off the fronts of houses, you’d find swine? the world’s a hell. what does it matter what happens in it? wake up, Charlie. use your wits. learn something.” – Uncle Charlie

[shadow of a doubt ~ alfred hitchcock, 1943]

“Este pequeno dicionário sentimental de bolso não é mais do que um pequeno dicionário de bolso que tem sido feito ao longo dos últimos anos, de memórias e recordações, para ir transportando a ilha nas errâncias da minha vida. […] Sem juízos nem preconceitos, este livrinho apenas manifesta o meu profundo amor pela ilha onde conscientemente decidi viver. É, enfim, uma forma de dizer que, nesta hora de desenfreada globalização, gosto muito de ser micaelense e que gosto muito dos micaelenses.”

fátima sequeira dias, publiçor, 2ª edição

História do Povo Açoriano

“Este História do Povo Açoriano é, seja-me permitida a analogia, um Breviário para as nossas horas. Quem o for lendo, devagarinho, ouvirá o som de uma longa oração.” – Do prefácio de Emanuel Jorge Botelho

História do Povo Açoriano de José Maria Teixeira Dias, Ed. Publiçor, 2011.
via livraria solmar

« Anteriores §