01.ARQUIVOS | 02. LINKS | 03. CONTACTO

arquivo do ano: 2011

do fim de outro ano

atrás dos tempos vêm tempos
e outros tempos hão-de vir

mas esse tempo que há-de vir
não se espera como a noite espera o dia
nasce da força de braços e pernas em harmonia
já basta tanta desgraça
que a gente tem no peito a cair
não é do povo nem da raça
mas do modo como vês o porvir.

fausto, 1996

FILMES EM 2011

ano atípico, marcado pela minha mudança de morada: 72 filmes no cinema, 54 em casa. apesar de algumas péssimas estreias nas salas de cinema, o ano foi salvo pela descoberta de alguns clássicos no ecran de 13 polegadas que me acompanha e quase ter completado a filmografia de hitchcock.

[melhores filmes vistos em 2011 numa sala de cinema]
1. shame ~ steve mcqueen, 2011 *****
2. the tree of life ~ terrence malick, 2011 *****
3. black swan ~ darren aronofsky, 2010 *****
4. restless ~ gus van sant, 2011 *****
5. loong boonmee raleuk chat ~ apichatpong weerasethakul, 2010 *****
6. animal kingdom ~ david michôd, 2010 *****
7. drive ~ nicolas winding refn, 2011 *****
8. essential killing ~ jerzy skolimowski, 2010 ****
9. midnight in paris ~ woody allen, 2011 ****
10. melancholia ~ lars von trier, 2011 ****

[melhores filmes, ditos clássicos, vistos pela 1ª vez]
1. a place in the sun ~ george stevens, 1951 *****
2. imitation of life ~ douglas sirk, 1959 *****
3. the lady from shanghai ~ orson welles, 1948 *****
4. days of heaven ~ terrence malick, 1978 *****
5. cat on a hot tin roof ~ richard brooks, 1958 ****

[outros destaques]
super 8 (jj abrams, 2011) foi o melhor blockbuster do ano, les petits mouchoirs (guillame canet, 2011) a minha comédia de verão e my week with marilyn (simon curtis, 2011) confirmou porque gosto tanto da michelle williams.

SÉRIES PARA TELEVISÃO EM 2011

[drama]

este ano, com madmen na gaveta, não houve nenhuma série que me fizesse ver um episódio sem intervalos.

american horror story (fx), temporada 1
mais do que uma história de terror cheia de fantasmas e mortes violentas, é a luta entre insanidade e fragilidade humana, nos seus medos e preversidades, que faz com que se queira ver toda a temporada num fim de semana. constance langdon (jessica lange) é a melhor personagem de ryan murphy desde james (jacqueline bisset) em nip/tuck.

the walking dead (amc), temporadas 1 e 2
horror pós-apocaliptico que emerge da recriação da temática zombie, traduzindo-se numa eficaz exploração das relações interpessoais num ambiente hostil e sem esperança. uma primeira temporada que demorou a aquecer e uma segunda temporada que vai a metade, mas que surpreende a cada episódio.

breaking bad (amc), temporadas 1,2, 3 e 4
série, suficientemente politicamente incorrecta de como um homem com cancro preso no sistema de saúde norte americano encontra na droga o financiamento para um tratamento oncológico milionário.

dexter (showtime), temporada 6
depois de seis episódios brilhantes explorando religião/moral, fé/desesperança, luz/escuridão, dexter descarrila na ida ao nebraska, no serial killer esquizofrénico e no amor incestuoso, que servirá de partida para a próxima temporada.

true blood (hbo), temporada 4
“what?, now i have to deal with witches?” – sookie stackhouse continua a sua caminhada, sem identidade, tal como a série. o brilho da primeira temporada extinguiu-se, sobrevivendo de enredos secundários e reciclagem de mitos.

 

[comédia]

happy endings (abc), temporadas 1 e 2
um grupo de amigos junta-se num café, na berma da rua, numa loja ou num apartamento qualquer e aí começa mais um episódio com menos de 25 minutos de puro entretenimento. versão menor dos míticos “friends”, com personagens estupidificadas em argumentos superficiais abordando temas fúteis. já não me ria tanto desde ‘scrubs’.

community (nbc), temporada 3
é talvez a série que mais arrisca na televisão, quer nos conteúdos através de personagens socialmente excluídas, conflitos culturais e exploração racial, quer no formato oscilando entre a comédia clássica, o mockumentary, o remake de filmes de culto, o musical e o stop motion. ocupa o humor deixado por ‘arrested development’ e, tal como esta, arrisca-se a ser cancelada num futuro próximo.

LIVROS EM 2011

não li nada de quem ganhou o nobel nos últimos 5 anos, nem sei o que vendem as livrarias nos dias de hoje. na minha mesa de cabeceira estiveram mais do que uma vez:

1. se as coisas não fossem o que são ~ helder moura pereira
2. a sintaxe das lágrimas ~ josé tolendino de mendonça
3. nove contos ~ j. d. salinger
4. os cantos, a tragédia de uma família açoriana ~ maria filomena mónica
5. black hole ~ charles burns

MÚSICA EM 2011

a mixtape dos 24 melhores albuns de 2011 seria mais ou menos assim:

lado a {60min/download zip file / ouvir em 8tracks}
1. the antlers – burst apart
2. destroyer – kaputt
3. bon iver – bon iver
4. fleet foxes –  helplessness blues
5. girls – father, son, holy ghost
6. wild beasts – smother
7. feist – metals
8. pj harvey – let england shake
9. real estate – days
10. young man – ideas of distance
11. kurt vile – smoke ring for my halo
12. st vincent – cruel

lado b {56 min/download zip file /ouvir em 8tracks}
1. m83 – hurry up, we’re dreaming
2. washed out – within and without
3. junior boys – it’s all true
4. nicolas jaar – space is only noise
5. james blake – james blake
6. toro y moi – underneath the pine
7. gang gang dance – eye contact
8. atlas sound – parallax
9. metronomy – the english riviera
10. john maus – we must become the pitiless censors of ourselves
11. battles – gloss drop
12. braids – native speaker

{e outros que tal, por ordem alearótia: youth lagoon, the pain of being pure at heart, dirty beaches, cass mcombs, julian lynch, julianne barwick, bill callahan, the caretaker, panda bear, cut copy, oneohtrix point never, the horrorsm active child, lykke li, caged animals, the juan maclean, i break horses, pallers, twin sister, the weekend, jamie woon, smith westerns, beirut, tv on the radio, austra, boyfriend, planningtorock, the field, cults…}

filmes vistos em dezembro

>> no cinema
shame ~ steve mcqueen, 2011 *****
my week with marilyn ~ simon curtis, 2011 ****
melancholia ~ lars von trier, 2011 ****
the descendants ~ alexander payne , 2011 ****
the girl with the dragon tattoo ~ david fincher, 2011 ****
the adventures of tintin ~ steven spielberg, 2011 ***
hugo ~ martin scorsese, 2011 ***
young adult ~ jason reitman, 2011 ***

>> em casa
we need to talk about kevin ~ lynne ramsay, 2011 **

o amor é uma noite a que se chega só.
josé tolentino de mendonça, a noite abre meus olhos

para ti,sempre

durante a noite

o meu coração vai explodir:
aconteceu o esperado,
e já não te consigo sentir.

sonha a possibilidade da realidade
– um motivo para eu ficar.

[versão livre de wrong feels right ~ dum dum girls]

obsessão

o teu nome,
arsénico no meu coração.

[versão livre de sidehill wonders – worse off]

feliz natal

the angel said “you gonna have a special baby” and that it was god’s son. she was quite excited, “oh my gosh, i gonna have the son of god!”, and them she was like “i can’t, i’m not married and stuff…”

in “the christmas story” >

« Anteriores §