01.ARQUIVOS | 02. LINKS | 03. CONTACTO

arquivo do mês: [08, 2010]

filmes vistos em agosto

notorious ~ alfred hitchcock, 1946 *****

the killer inside me ~ michael winterbottom, 2010 ****

chun feng chen zui de ye wan ~ lou ye, 2009 ****

barton fink ~ joel coen, 1991 ****

the big lebowski  ~ joel & ethan coen, 1998 ****

la belle personne ~ christophe honoré, 2008 ****

drag me to hell ~ sam raimi, 2009 ***

my son, my son, what have ye done ~ werner herzog, 2009 ***

ein freund von mir ~ sebastian schipper, 2006 ***

the last airbender ~ m. night shyamalan, 2010 ***

l’heure d’été ~ olivier assays, 2008 ***

knight & day ~ james mangold, 2010 **

salt ~ philip noyce, 2010 *

contraluz ~ fernando fragata, 2010 º

longe II

não há fim próximo.
mas,…
……mas,
eu preciso da escuridão!
por favor, alguém apague as luzes.

[versão livre de sprawl II ~ arcade fire, 2010]

longe

percorres comigo os locais onde vivemos?
já não consigo encontrá-los com as mudanças.

aí, dizes ‘as emoções estão mortas’.
de facto,dificilmente os reconheço.
não admira que me sinta tão longe.

[versão livre de sprawl I ~ arcade fire, 2010]

torpor

drunken spring nights without hope, like this one, i spend them wandering outside until the sky grows pale.
Yu Dafu, 1923

[CHUN FENG CHEN ZUI DE YE WAN ~ Lou Ye, 2009]

do sofrer

lembro-me que, às vezes, sérgio largava, desgarrado, serra fora, sem aviso. de uma vez, lá o fui achar estirado entre penedos, olhando, pasmado, para o céu. caía-lhe do azul um silêncio augusto. fundas brechas abriam-lhe a montanha, de um e de outro lado, até à raíz. e em baixo, pespontando o silêncio, um marulhar tímido de ribeiros, um chocalhar recolhido de rebanhos. ao ver-me, sérgio não se perturbou:

– que está a fazer? – perguntei, com estupidez.
– nada. estou a sofrer.

sentei-me, puxei de um cigarro. reparei que me chocava menos aquele desvairo.

– aconteceu alguma coisa?
– que coisa?
– alguma coisa que o magoasse, evidentemente.
– não.
– então porque sofre?
– isso é uma pergunta idiota, meu filho. (…) sofrer é tão natural e espontâneo quanto existir. só os insuficientes é que procuram uma causa para serem felizes ou infelizes.

[p. 83, promessa ~ vergílio ferreira]

das despedidas

barbara você vai deixar isto?
– eis aí uma coisa desagradável em você. esse espanto. essa lamúria. no folhetim, você esta vivendo o papel de apaixonado. e isso é o pecado do monge moribundo com uma vida de penitência. serene, por favor.
– mas eu nunca a amei, bárbara.
– nunca? – estranhou ele, altiva como um ganso.
– sérgio dizia que você era demasiado bela para ser amada. tenho de aceitar o paradoxo, porque não vejo outra maneira de dizer a mesma coisa.

ela sorriu, confortada. tomoume as mãos e fitou-me com receio, por termos liquidado o que pudéssemos sentir sem dizer.

– exactamente o que eu quererira. posse sem amor. mas você teve sempre excessiva moral para pecar em estado de graça.
– não foi por moral, suponho. pretendo que não tenha sido por moral. admitamos que foi por cobardia. é mais cómodo, porque acredito melhor. eu e você. e pronto. creio que não temos mais nada a dizer.

demorou ainda um instante os olhos sobre mim. depois, apertou-me num abraço convencionalmente frio. apesar de tudo custou-me ainda a suportar a convenção. disse, por conveniência, batendo-lhe palmadas estúpidas pelos ombros:

– então boa viagem, bárbara. felicidades.
– talvez a gente um dia se encontre. pode-se morrer mais que uma vez e recomeçar antes de morrer definitivamente. ás vezes, basta que não tenhamos à roda os que foram vivos connosco. tudo isto é idiota, mas sofro se você disser que o é. seja criança um momento e diga que o não é.
– não é.

[p. 249, promessa ~ vergílio ferreira]

versão livre #25: summer hours, lado b

1. in the sun ~ she & him
2. summer holidays ~ wild nothing
3. cayman islands ~ kings of convenience
4. in between ~ scott orr
5. red wine, mistakes, mythology ~ jack johnson
6. my love ~ the bird and the bee
7. summer cum ~ avi buffalo
8. something good can work ~ two door cinema club
9. low shoulder ~ toro y moi
10. blister in the sun ~ nouvelle vague
11. no one’ better sake ~ little joy
12. summer mood ~ best coast
13. slippin – quadron
14. summer grof ~ the spinto band

14 músicas, 85.3mb, 46:05min [download zip fileouvir]
labo b, mixtape de verão. mais leve, com muitas palminhas, alguns assobios e outros tantos sorrisos. para ouvir no carro, com o vidro aberto, a caminho de qualquer praia cheia de crianças aos gritos e cães a farejarem toalhas.

fadas, vampiros & outros que tais

i‘m a fairy?
how fucking lame!

[true blood. hbo. season 3. ep 10]

mesmo que true blood seja a soap opera que gostaríamos de ter escrito, a terceira temporada é deplorável. valha esta cena, e algum génio por parte dos argumentistas para admitirem isso. a revelação de que sookie stackhouse é uma fada só merece desdém e maldizer; a ver pelos livros que originaram a série, a fantasia não fica por aqui.

viva o arco-iris e o fim da temporada que se aproxima;
finalmente.

sake

miller: you’d be surprised what people will say to an interested stranger.
draper: why does everybody need to talk about everything?
miller: I don’t know but they do. And no matter what happens while they’re talking, when they’re done they feel better.

ep.05, série 4, mad men

illya & sally

david mcCallum as illya kuryakin, the man from u.c.l.e
kiernan shipka as sally draper, mad men

ep.05, série 4, mad men

« Anteriores §