01.ARQUIVOS | 02. LINKS | 03. CONTACTO

arquivo do mês: [03, 2010]

cinema saúde doença

16|março 21h30
ONE FLEW OVER THE CUCKOO’S NEST (1975), Milos Forman
With an insane asylum standing in for everyday society, Milos Forman’s 1975 film adaptation of Ken Kesey’s novel is a comically sharp indictment of the Establishment urge to conform. Playing crazy to avoid prison work detail, manic free spirit Randle P. McMurphy (Jack Nicholson) is sent to the state mental hospital for evaluation. There he encounters a motley crew of mostly voluntary inmates, including cowed mama’s boy Billy (Brad Dourif) and silent Native American Chief Bromden (Will Sampson), presided over by the icy Nurse Ratched (Louise Fletcher).

23|março 21h30
CARO DIARIO (1993), de Nanni Moretti
“Dear Diary, there is something I like to do more than anything else…” These lines open the author’s diary, the confident of the most hidden thoughts and ideas, as well as the nightmares which all are his daily companions. A diary in images, free and light as only personal thoughts can be. The film is divided into three chapters: “On my Vespa”, “Islands”, and “Doctors”.

06|abril 21h30
LES GENS NORMAUX N’ONT RIEN D’EXCEPTIONNEL (1993), de Laurence Ferreira Barbosa
Alguém me contou a sua experiência num hospital psiquiátrico. Era um tipo perfeitamente normal, como eu ou outra pessoa qualquer. Isso foi o clic para começar a escrever o argumento. Quis mostrar que se pode levar uma vida normal e ao mesmo tempo oscilar, uma vez por outra, para esse universo. Quis também compreender o que é que se passava a partir desse momento. Será que estamos preparados para os internar? Será que, pelo contrário, tentamos fazê-los sair muito rapidamente?

13|abril 21h30
BIGGER THAN LIFE (1956), de Nicholas Ray
Though ignored at the time of its release, Nicholas Ray’s Bigger Than Life is now recognized as one of the great American films of the 1950s. When a friendly, successful suburban teacher and father (James Mason, in one of his most indelible roles) is prescribed cortisone for a painful, possibly fatal affliction, he grows dangerously addicted to the experimental drug, resulting in his transformation into a psychotic and ultimately violent household despot.

20|abril 21h30
SICKO (2007), de Michael Moore
After exploring the predominance of violence in American culture in Bowling for Columbine and taking a critical look at the September 11th attacks in Fahrenheit 9/11, activist filmmaker Michael Moore turns his attentions toward the topic of health care in the United States in this documentary that weighs the plight of the uninsured (and the insured who must deal with abuse from insurance companies) against the record-breaking profits of the pharmaceutical industry.

[à semelhança do ano passado, o ciclo cinema saúde doença vai decorrer nas próximas terças nas salas do medeia cidade do porto.]

espaço

fish1

fish2

entre nós, o cheiro do meu cabelo e o desejo dos teus lábios.

[fish tank ~ andrea arnold, 2009]

balanço

fish3

sonhei que te carregava.
assim, ao infinito.

[fish tank ~ andrea arnold, 2009]

verdade manca

posso fazê-lo sozinho,
mas não te vais acostumar
ao meu corpo não estar cá
se de repente a verdade for manca.

se eu andar mais do que tu
e se o vento não parar (…)
cada olho é como um punho
cerrado para te magoar

[verdade manca ~ joão coração]

coração

deixa-me entrar
onde só os teus pensamentos são permitidos.
deixa-me ocupar a tua alma
como ocupas a minha.

[versão livre de hearts a mess ~ gotye, 2010]

estado de guerra

hurt

em boa verdade, aquelas dez nomeações foram desde o início uma distracção. mas, como disse alguém no ípsilon da semana passada, os óscares são apenas mais uma linha na capa de um dvd.

vi hurt locker (Kathryn Bigelow, 2009) em dezembro, após o encontrar em algumas listas dos melhores de 2009, incluido esta. não suplantou  full metal jack (stanley kubrick, 1987) nem the thin red line (terrence mallick, 1998) nos poucos filmes de guerra que gosto, mas aquele conforto do sargento william james no desconfartável iraque, permitindo o abandono da vida fascinou-me. quanto ao meu preferido, acho que vai sempre escapar ao oscar.

songbook: autores açorianos

song1

song4

song3

este livro não tem por objecto a história das canções de autor nos Açores, mas sim uma ferramenta de trabalho para compositores, intérpretes e estudantes, ou uma fonte de referência adicional sobre música, pelo que se desenvolveram todos os esforços para optimizar as potencialidades de uma produção deste género. Daí surgir a designação de Songbook, em detrimento de “Cancioneiro” ou outra designação mais consensual, numa perspectiva de defesa de um património cultural português, bem como a opção de uma edição bilingue: pretende-se registar, documentar e divulgar um património já existente – as canções.

– Rafael Fraga e Augusto Macedo

sobre as nuvens

life

# quinze. caderno preto número dois.

sobre o passado

passado1

# onze. caderno preto número dois.

Fantasporto ’10 [3]

heartless

heartless (philip ridley, 2009) foi o grande vencedor da 30º edição do fantasporto. um jovem de 25 anos, atormendado por um angioma em forma de coração que lhe ocupa a cara, envereda por um acordo faustiano após assitir à morte violenta da mãe. basta esta premissa para sermos lançados numa mistura de terror urbano, comédia negra, triller psicológico e fábula. tem uma boa fotografia, uma excelente banda sonora, um argumento escorreito. heartless é um filme ambicioso, mas falta-lhe unidade. no entanto, parece-me um bom vencedor do fantasporto e merece esse reconhecimento.

* lista de todos os prémios aqui.

« Anteriores § Seguintes »