01.ARQUIVOS | 02. LINKS | 03. CONTACTO

A maledicência

O Porto está, não haja dúvidas, muito doente. Para explicar este estertor, é útil continuar a acreditar que a cidade é enjeitada pelo poder central, o que, ainda por cima, não é nenhuma mentira. Mas, se é verdade que há muita gente, e se calhar gente a mais, que se conforma, que desistiu, que já não resiste, que desapareceu e “já não quer saber”, também é inegável que o pior sintoma desta decadência é a insuportável maledicência que, com tiques de snobeira chique e de bom-tom, ou de pós-modernismo diletante e niilista, anima os mais variados salões. E, não sendo eu, caro leitor, um “bem-dizente” habitual, não resisto a confessar -lhe que este é um sintoma tangível de que somos, cada vez mais, uma cidade pequena, que caminha para a irrelevância. E isso, por muito que nos custe, acontece também, e principalmente, por nossa culpa.

rui moreira, presidente da associação comercial do porto
caderno do porto. público 22.junho.08

« § »