01.ARQUIVOS | 02. LINKS | 03. CONTACTO

conversas soltas

numa tarde no progresso,

um) lembraste da joana? aquela mulher bem posta que vendia flores para lá de massarelos. perguntou um dos cinco senhores que já deviam ter uns setenta anos. os outos levaram algum tempo a lembrar-me, mas um ou outro acenaram com a cabeça que sim. foi a minha primeira namorada a brincar. deu-me dois beijos na cara que nunca mais esqueci. continuou ele, enquanto os outros se interpelavam sobre as suas primeiras namoradas. mais tarde, diz que a joana tinha morrido na semana anterior. mudaram de conversa e a propósito da nova lei do tabaco discutiam o design dos primeiros portugal suave e do highlife seguindo-se uma animada conversa sobre o aparecimento dos primeiros cigarros com filtro…

dois) mas olha, sabes que ele não me parece grande coisa. é sempre tão agressivo quando está contigo. pode ser muira boa pessoa, mas não me parece que seja para ti. dizia a rapariga de óculos de massa vermelhos à outra de óculos de massa pretos. discutiam o s.joão e o novo namorado da última. havia algum desdém e, por instantes, pareceu-me que a rapariga de óculos de massa vermelhos estava apaixonada pelo novo namorado da rapariga de óculos de massa pretos…

três) no fundo do café estavam três senhoras (talvez com uns cinquenta anos). todas com penteados acabados de sair do cabeleireiro e ainda dourados. não conseguia ouvir as conversas, mas alvitro que vagueassem pelos netos ou pelos tempos que hoje já não se vivem ou, ainda, pelas péssimas condições das ruas do porto, novamente em obras…

também havia um senhor que falava sozinho; continuei a beber a meia de leite de saco e pedi mais um queque de maça e canela.

« § »