01.ARQUIVOS | 02. LINKS | 03. CONTACTO

arquivo do mês: [05, 2007]

tópicos para a minha ida

. convencer os outros que o tempo parou
. marcar a rota entre o teu ventre e a tua voz redonda
. deixar a onda bater contra a rocha, mesmo que não faça som

amanhã? sim amanhã
a minha ida, na tua vinda

Filmes vistos em Maio

>> DVD e TV

Casablanca ~ Michael Curtiz, 1942 *****

Scenes of a Sexual Nature ~ Ed Blum, 2006 *

Fight Club ~ David Fincher, 1999 ****

Gangs of New York ~ Martin Scorsese, 2002 *

Frida ~ Julie Taymor, 2002 ***

>> Cinema

Spiderman 3 ~ Sam Raimi, 2007 *
(Lusomundo Parque Atlântico, Ponta Delgada)

The Good German ~ Steve Soderbergh, 2006 ****
(Cine SolMar, Ponta Delgada)

Sunshine ~ Danny Boyle, 2007 ***
(Lusomundo Parque Atlântico, Ponta Delgada)

4:30

não

não

a rotina de uma solidão.

[4:30 ~ royston tan, 2005]

até te encontrar

VINTECINCOABRIL

tee.shirt #13

os nossos ombros

o que sempre desejei: os nossos ombros a tocarem-se ligeiramente. (video de nelson d’aires >)

sinto a tua falta, my lobe.

de lisboa

sendo a capital, lisboa aglutina em si todo o conceito de portugal. essa é a imagem que durante anos a cidade teve para muitos açorianos; em culpa pela televisão ou jornais nacionais e regionais. grande parte de uma faixa etária mais alta dos açorianos, apenas conhecem o país por lisboa; exemplo paradigmático desta realidade é a minha avó perguntar ‘quando vais para lisboa?’ ou em conversas com as vizinhas ‘ah, ele está a viver em lisboa.’ quando no fundo, nunca fui para lisboa nem vivi em lisboa. infelizmente este modo de pensar não é exclusivo da minha avó, e durante os seis anos que vivia no porto foi dificil contornar este pensamento… agora que moro cá, as coisas parecem mudar.

notas sobre o fim de semana ou as sopas que comi

num regresso ao faial, quase instantâneo:

um) a vista que se tem ao descer da espalamaca em direcção à cidade da horta; a ilusão da aproximação do pico e o nosso afastamento da realidade, dura apenas uns escassos segundos que dificilmente se esquecem.

dois) o poço das asas; algures no interior de chão frio, jaz o sossego e a pureza deste recanto, outrora tragico, em que apenas o chilrear dos pássaros corta o silêncio.

três) as sopas do espirito santo, a aguardante de tangerina, as espécies de s.jorge acabadinhas de chegar. sabem bem, muito.

trabalhar/gastar/mostrar

algures em mau tempo no canal, vitorino nemésio disserta sobre um provérbio açoriano que diria ‘em smiguel trabalha-se, na terceira gasta-se e no faial mostra-se‘.

não sei da origem do mesmo, mas no próximo fim de semana estarei a mostrar aquilo que andei a trabalhar nos últimos meses.

o mordomo, III

não

para além do quarto do espirito santo, em casa do mordomo era possível encontrar o quarto da massa sovada e pão de casa e o quarto da carne; estes bens eram distribuidos em pensões pagas por criadores de gado ao longo do ano ou em esmolas.

(sou o puto de riscas, as minhas irmãs e pais no remoto ano de 1986). 

sobre ela

não

o que está dentro disto?
o que estará atrás daquilo?
o que é aquela sombra?
estará alguém dentro dela?

#cento trinta e três. caderno preto.

« Anteriores §